O sono e os sonhos

O sono e os sonhos

Rogério Miguez

O SONO E OS SONHOS

O sono e os sonhos são um tema interessantíssimo para todos nós, pois nos recolhemos diariamente em sono. Sempre encontramos pessoas desejosas em saber: Por qual razão ou objetivo dormimos? Há benefícios a serem obtidos? Quais são as atividades do Espírito durante o período de sono?

O tema não poderia ter sido deixado à margem por Allan Kardec, afinal dormimos aproximadamente um terço de nossas vidas, é muito tempo para não se saber em quais atividades, se houver, estamos envolvidos.

Como o assunto é vasto, nos restringiremos nesta análise a principalmente destacar benefícios para o Espírito passíveis de serem obtidos durante uma noite de sono, apontando também a razão e o objetivo do mesmo, considerando apenas a primeira obra básica – O Livro dos Espíritos – em uma análise não exaustiva:

  1. Como podemos julgar da liberdade do Espírito durante o sono?

“Pelos sonhos. Quando o corpo repousa, acredita-o, tem o Espírito mais faculdades do que no estado de vigília. Lembra-se do passado e algumas vezes prevê o futuro. Adquire maior potencialidade e pode pôr-se em comunicação com os demais Espíritos, quer deste mundo, quer do outro. […] Esses Espíritos, quando dormem, vão para junto dos seres que lhes são superiores. Com estes viajam, conversam e se instruem. Trabalham mesmo em obras que se lhes deparam concluídas, quando volvem, morrendo na Terra, ao mundo espiritual. […] Isto, pelo que concerne aos Espíritos elevados. Pelo que respeita ao grande número de homens que, morrendo, têm que passar longas horas na perturbação, na incerteza de que tantos já vos falaram, esses vão, enquanto dormem, ou a mundos inferiores à Terra, onde os chamam velhas afeições, ou em busca de gozos quiçá mais baixos do que os em que aqui tanto se deleitam.

Conforme resposta à pergunta 402, observam-se algumas possíveis atividades e também teríamos os seguintes benefícios:

  1. Lembrar-se do passado e eventualmente prever o futuro;
  2. Colocar-se em comunicação com outros Espíritos, para viajar, conversar, se instruir;
  3. Trabalhar em obras no plano espiritual;

Mais à frente, encontramos outras vantagens propiciadas durante o intervalo de sono:

  1. Dá-se também que, durante o sono, ou quando nos achamos apenas ligeiramente adormecidos, acodem-nos ideias que nos parecem excelentes e que se nos apagam da memória, apesar dos esforços que façamos para retê-las. Donde vêm essas ideias?

“Provêm da liberdade do Espírito que se emancipa e que, emancipado, goza de suas faculdades com maior amplitude. Também são, frequentemente, conselhos que outros Espíritos dão.” 

  1. Novas e boas ideias nos surgem, devido à percepção aumentada oriunda da emancipação do Espírito se distanciando provisoriamente da matéria, ou seja, do corpo, que o abafa.
  2. Receber conselhos, por exemplo, dos guias espirituais;

E na pergunta seguinte:

  1. Estando desprendido da matéria e atuando como Espírito, sabe o Espírito encarnado qual será a época de sua morte?

“Acontece pressenti-la. Também sucede ter plena consciência dessa época, o que dá lugar a que, em estado de vigília, tenha a intuição do fato. Por isso é que algumas pessoas preveem com grande exatidão a data em que virão a morrer.”

Poderíamos questionar qual seria o proveito recebido por um Espírito ao tomar conhecimento de quando vai morrer. Conhecedores de que nosso fim está próximo, podemos acelerar providências em relação a um possível testamento, talvez dividindo os bens possuídos ainda em vida, desta forma, evitaríamos dissabores futuros em família, assim sendo, enumeremos mais este benefício:

  1. Conhecer ou ter o pressentimento do dia da desencarnação;

Avançando um pouco mais, encontra-se:

  1. Podem duas pessoas que se conhecem visitar-se durante o sono?

“Certo e muitos que julgam não se conhecerem costumam reunir-se e falar-se. Podes ter, sem que o suspeites, amigos em outro país. É tão habitual o fato de irdes encontrar-vos, durante o sono, com amigos e parentes, com os que conheceis e que vos podem ser úteis, que quase todas as noites fazeis essas visitas.” 

Aqui se destaca a possibilidade de rever amigos e parentes, assim:

  1. Encontrar parentes e amigos que podem nos auxiliar, com avisos, por exemplo, e mais: Quem não deseja estes encontros?

Ainda há outras novidades:

  1. Podem Espíritos encarnados reunir-se em certo número e formar assembleias?

“Sem dúvida alguma. Os laços, antigos ou recentes, da amizade costumam reunir desse modo diversos Espíritos, que se sentem felizes de estar juntos.”

Quem não aspira reencontrar amigos, antigos e recentes, para em conjunto conversar sobre o desenrolar da vida e sobre o futuro que nos aguarda?

  1. Interagir com grupos de amigos encarnados para fortalecimento e renovação pessoal.

Entretanto, há mais:

  1. Que é o que dá causa a que uma ideia, a de uma descoberta, por exemplo, surja em muitos pontos ao mesmo tempo?

“Já dissemos que durante o sono os Espíritos se comunicam entre si. Ora bem! Quando se dá o despertar, o Espírito se lembra do que aprendeu e o homem julga ser isso um invento de sua autoria. Assim é que muitos podem simultaneamente descobrir a mesma coisa. […] Todos, sem o suspeitarem, contribuem para propagá-la.

  1. Promover o progresso da humanidade.

Para não nos alongarmos em demasia, destacaremos esta última informação:

  1. O sonambulismo natural tem alguma relação com os sonhos? Como explicá-lo?

[…] “Esse estado se apresenta principalmente durante o sono, ocasião em que o Espírito pode abandonar provisoriamente o corpo, por se encontrar este gozando do repouso indispensável à matéria.”

Permitir o descanso necessário ao corpo humano, ferramenta fundamental para promover a evolução de todos nós.

Poderíamos continuar a listar outras vantagens advindas do sono, definidas em outras obras fundamentais, contudo, cremos que as já apontadas nos dão uma boa noção da dimensão e da importância do período de sono e de como são sábias as leis divinas.

Rogério Miguez

Fonte:  Agenda Espírita Brasil

Referência:

 (1) KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Trad. Guillon Ribeiro

Esta entrada foi publicada em Artigos, Ciência, Família, Sociedade. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário