A caridade no pensar!

A caridade no pensar!

Maria Lúcia Garbini Gonçalves

Fora da caridade não há salvação, nosso Mestre ensina no capítulo 15 de O Evangelho Segundo o Espiritismo, uma lição que se repete muito no meio Espírita por sua profundidade. Isso porque, como explica Paulo no item 10 da mesma obra, quem a pratica vive em paz e estará encurtando sua caminhada ao Reino de Deus, à terra prometida.

Porém, quando se fala em caridade, a maioria das pessoas imediatamente pensa em esmola, o que não deixa de ser caridade, se a intenção for a sincera vontade de ajudar o irmão, sem pensar em qualquer retorno. Entretanto, no item 10 da mesma obra, um espírito protetor nos esclarece que podemos praticar a caridade por pensamento, por palavras e por ações.

O foco deste ensaio é a caridade por pensamentos.

Infelizmente, a maior parte das pessoas também ignora a força de nossos pensamentos e que eles estão aliados às nossas intenções e que são veiculados por fluidos espirituais. Sendo os fluidos o veículo do pensamento, este atua sobre os fluidos como o som sobre o ar; eles nos trazem o pensamento, como o ar nos traz o som. Pode-se, pois, dizer, sem receio de errar, que há, nesses fluidos, ondas e raios de pensamentos, que se cruzam sem se confundirem, como há no ar ondas e vibrações sonoras. (1)

O fato de as ondas e raios de pensamentos não se confundirem, já nos indica, por dedução lógica, que o pensamento realmente chega ao seu alvo, prejudicando-o ou ajudando-o.

O incrível é que nunca foi tão disseminada a ideia do poder do pensamento por muitos neste planeta, e no entanto, parece que nunca estivemos tão divididos pelos efeitos dos nossos pensamentos gerados pelos nossos sentimentos equivocados.

Os pensamentos que emitimos, ao escaparem de nós, se agrupam, por lei, aos seus semelhantes e, em muitos casos, voltam a nós, seus criadores, como nuvens de abelhas retornando ao apiário a atormentar-nos, ou a abençoar-nos, dependendo da sua formação no laboratório da mente. (2)

Então, quando os nossos pensamentos são bons, estamos fazendo caridade a nós mesmos e aos outros.

O nosso querido planeta Terra não nos aguenta mais, são muitos pensamentos negativos a se combinarem, juntando-se, a gerarem as consequências deletérias que testemunhamos hoje. Basta ver que raramente estivemos sem um conflito bélico por razões geopolíticas, umas vezes entre as nações poderosas, outras vezes entre as menos poderosas. Como nossos pensamentos são ainda belicosos, os resultados são sempre a discórdia, os duelos.

Quando iremos aprender a fazer a paz na prática? Sim, é uma questão de quando teremos um número suficiente de pessoas conseguindo gerar bons fluidos frutos de um real esforço de desejar o bem, de pensar em caridade, amor, até que formemos uma egrégora de luz, de paz, limpando a nossa maltratada Terra, e assim, atraindo mais e mais paz. Essa é a caminhada que precisamos percorrer para a luz, para a Regeneração.

Sabemos que esta regeneração está um parto difícil, mas que vai nascer a criança, já que “O progresso da Humanidade se cumpre, pois, em virtude de uma lei. (2) Por isso precisamos de todos juntos, vibrando na paz, no amor. Se cada um de nós cultivarmos bons pensamentos, já estaremos irradiando essas vibrações a todos que estão nessa sintonia. Assim estaremos sendo mais caridosos para com os nossos irmãos, que são as outras pessoas, os animais, os vegetais, os minerais, enfim, com o planeta.

Pensamentos negativos são notas dissonantes na harmoniosa orquestração da mente, e as boas ideias fortalecem o cérebro, revigoram os nervos, estendendo as bênçãos do bem em todo o complexo biológico. É hora de participarmos com mais intensidade da nossa evolução mental, procurando conhecer todos os horizontes da mente, para trabalharmos com proveito na grande construção do homem de amanhã. Começando hoje, com sutis toques de reformas de costumes, amanhã o trigo já estará maduro. Poderemos arrancar o joio, para novos e fecundos plantios. Esse é o impulso irresistível da evolução. Avancemos. (2)

Maria Lúcia Garbini Gonçalves

Fonte: Agenda Espírita Brasil

Referências:

(1) KARDEC, Allan. A Gênese, capítulo XIV – Os fluidos, item 15;

(2) KARDEC, Allan. A Gênese, capítulo XVIII – São chegados os tempos, item 2;

(3) MAIA, João Nunes. Psicografado pelo Espírito Miramez. Horizontes da Mente

Esta entrada foi publicada em Artigos, Família, Sociedade. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.