Manipulação à Base do Medo

Manipulação à Base do Medo Segundo o Espiritismo

Amanda Teixeira

Sabemos que o medo é uma sensação de alerta do nosso corpo sobre uma situação de possível perigo.

Em alguns casos, faz com que não demos andamento a algo, que não nos libertemos a conhecer algo.

Tudo varia de acordo ao caso concreto, mas sobre um fato vamos concordar: muitos atos não são praticados devido ao medo.

Por exemplo: Maria foi a uma festa, e não aceitou usar droga que lhe foi oferecida, por medo de seus pais descobrirem. Maria teve medo da consequência que poderia vir a ocorrer, caso praticasse o uso da droga. Mas, e se Maria não tivesse pais? Será que ela usaria? Existem vários pontos que Maria, nesse exemplo, pode ter pensado, mas o medo fez com que ela mudasse sua ação.

Nós, humanos, diariamente vivemos situações que envolvem o medo, porque somos criados culturalmente, desde criança, a ter o medo, mas não somos ensinados a nos policiar apenas por ter medo. Ainda no exemplo citado acima, de Maria, poderia ser: Maria não aceitou usar a droga que lhe fora oferecida porque entende o mal que ela faz ao corpo, além de ser algo ilícito.

Percebem a diferença? O caminho a ser seguido é sempre nós constatarmos o que é errado, simplesmente porque ele é errado, e não deixar de fazer apenas por medo, e nos direcionar a não sentir desejo daquilo, aprender com o tempo a não querer mais e entender realmente que não nos faz bem.

Isso acontece muito no espiritismo, muitas pessoas não efetuam certos atos porque apenas apresentam receio de ir para o umbral, exemplificando. Não deve ser esse o caminho, e sim as pessoas não praticarem o ato errado porque entendem que não é certo.

O futuro é construído todos os dias. A principal mudança que deve ocorrer é: você entende que é errado? Fica a reflexão.

Em O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec, a questão 123 diz:

Por que Deus tem permitido que os Espíritos possam seguir o caminho do mal?

A sabedoria de Deus está na liberdade que ele deixa a cada um escolher, porque cada um tem o mérito de suas obras. (KARDEC, 2002).

Em outros termos, somos nós que trilhamos nossos caminhos, construímos nossa jornada, através do nosso livre arbítrio.

A Doutrina Espírita nos ensina que:

Os sofrimentos que decorrem do pecado são-lhe [ao ser humano] uma advertência de que procedeu mal. Dão-lhe experiência, fazem-lhe sentir a diferença existente entre o bem e o mal e a necessidade de se melhorar para, de futuro, evitar o que lhe originou uma fonte de amarguras; sem o que, motivo não haveria para que se emendasse. Confiante na impunidade, retardaria seu avanço e, consequentemente, a sua felicidade futura.

O sofrimento faz parte da nossa evolução, não devemos sempre encará-lo de maneira negativa, e sim acreditar que ele nos faz crescer de alguma forma, assim como não devemos ter medo de errar, pois ninguém é perfeito, todos os seres encontram-se em estado de evolução, e ainda irão cometer seus equívocos. Devemos buscar sempre aprender com o erro, não nos acostumar, e sim assimilar a experiência para que não seja mais praticada.

Quando damos espaço ao medo em nossa vida, consequentemente nos tornamos ignorantes, em não aprender sobre o assunto, em não buscar informações, em não lutar contra esse medo e deixar que ele faça parte de nós. Não podemos nos tornar reféns do medo, o desconhecido nos gera com certeza muitas dúvidas, como, por exemplo, o medo do umbral, seja como você entenda ou denomine. Esse medo também tem feito muitos reféns.

Apenas o conhecimento libertará esse medo. Devemos ser bons, sem medo e preocupações.

Com certeza todos nós temos temor pelo nosso destino, e várias indecisões surgem: para onde vamos? será que iremos ao ”paraíso?” será que meu pecado me levará ao umbral?

Preocupa-nos ainda mais porque sabemos que nosso Espírito não morre, e sim nosso corpo material.

Isso, sem dúvidas, nos ocasiona desassossego, pois vivemos perante a Lei da causa e efeito:

Não há efeito sem causa. Procurai a causa de tudo o que não é obra do homem, e a vossa razão vos responderá. (KARDEC, 2019).

Todas as nossas ações são submetidas às leis de Deus; não há nenhuma delas, por mais insignificante que nos pareçam, que não possa ser uma violação dessas leis. Se sofremos as consequências dessa violação, não nos devemos queixar senão de nós mesmos, que nós fazemos assim os artífices de nossa felicidade ou de nossa infelicidade futura.

Fica a lição de que podemos sim compreender aquilo que é certo e errado, termos a opção de amar a Deus, trilhar um caminho certo, do bem, sermos justos, apenas através da compreensão, e não por medo das consequências. Entender a mensagem que o espiritismo nos deixou e deixa, e trilhar seus caminhos, apenas porque queremos, e não por medo, porque intencionamos rever nossos valores, melhorar como humanos, enriquecer nossa moralidade, tanto conosco, quanto com o próximo.

Muita luz!

Amanda Teixeira

Fonte: Letra Espírita

REFERÊNCIAS

KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. 119. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2002, cap. V, item 5.

KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Capivari: EME, 2019, Livro Quarto, Capítulo II, item 964.

Esta entrada foi publicada em Artigos, Família, Sociedade. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *