Nosso Ego ferido

Nosso Ego ferido

Hugo Lapa

O EGO FERIDO

Um homem foi procurar um sábio e perguntou: – Mestre, fui muito ofendido por uma pessoa e estou com ódio de tudo isso. O que você me aconselha?

O sábio disse: venha cá, meu filho, para que possa te orientar. O homem se aproximou e ficou aguardando. O sábio então pressionou forte seu ombro direito. O homem soltou um grito de dor! Havia uma ferida em seu ombro.

O homem perguntou: – Mestre! Você enlouqueceu? Por que pressionou assim a ferida que tenho no meu ombro direito? Doeu bastante… O sábio respondeu: – Doeu muito, não é?

Agora vou tocar no seu ombro esquerdo com a mesma força. Diga-me o que sente… O sábio pressionou o ombro esquerdo do homem. O homem disse: – Agora não sinto nada mestre. – Por que você não sente nada, perguntou o mestre.

– Ora mestre, eu não sinto nada nesse ombro porque aqui não existe uma ferida. Ao contrário do ombro direito, onde existe uma ferida que faz meu ombro ficar sensível a qualquer toque.

O sábio disse: – Exatamente. Só dói onde existe uma ferida, ou seja, onde estamos de algum modo sensíveis diante das ocorrências externas. O mesmo acontece com as ofensas, as agressões verbais, as calúnias, as difamações etc. Uma pessoa te ofende e isso te afeta porque existe uma sensibilidade em você. E essa sensibilidade vem de uma “ferida”, uma fraqueza, uma falta, uma carência etc.

E tudo isso vem do nosso ego, do nosso orgulho, da nossa vaidade. O homem prestava bastante atenção nas palavras do sábio.

Este concluiu: – É necessário então curar essa ferida, resolver essa sensibilidade… e isso se faz deixando de lado o nosso ego. Não havendo mais ego, não há mais como alguém tocar nas nossas feridas, pois o que nos deixa sensíveis a tudo é nosso ego ferido. Quando você resolver isso, todos podem te ofender de diversas formas: você não sentirá nada.

Hugo Lapa

Fonte:  Kardec Rio Preto

Esta entrada foi publicada em Artigos, Família, Sociedade. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

1 respostas para Nosso Ego ferido

  1. DEBORA REIS DA COSTA DE OLIVEIRA disse:

    Bem assim mesmo …grande lição!
    Infelizmente ainda não enxergamos a trave no nosso olho mas vemos com clareza o cisco no olho do próximo!
    Mas estamos no caminho e com muita boa vontade de aprender um dia conseguiremos nos enxergar como realmente somos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *