Tende Cuidado…

Tem cuidado contigo: ama, trabalha, espera, perdoa.

João Jacques Freitas Gonçalves

Atualmente é comum as pessoas se queixarem da própria situação em que vivem, sem encontrarem uma resposta adequada para o que fazem e sentem e, principalmente, como mudar essa situação.

Então o que fazer para mudar essa situação?

Em breve consulta e leitura do livro “Paulo e Estevão”, Abigail em conversa com Paulo dispõe acerca dos procedimentos que poderiam levar o ex-rabino a compreender as angústias espirituais sentidas naquele momento.

Claro, não queremos comparar a alma portentosa de Paulo com a nossa, mas sim aplicar esses conceitos de amar, trabalhar, esperar e confiar ao momento que passamos. Seremos tão firmes na fé quanto Paulo, mas é necessário guardar a disciplina para “voos mais altos, pois voos altos necessitam de asas fortes”.

Primeira coisa a fazer é se preservar e, principalmente, se movimentar em direção ao bem. E, entendemos, que diante da nossa falta de habilidade em ajudar, nos deparamos sem ação para fazer isso. Para melhor compreensão desta parte, como exemplo, citamos ajudar um cego a atravessar a rua. Como é complicado darmos uma simples mão para que se atravesse a rua, pensamos se daremos conta, se alguém está olhando, se o cego aceitará nossa ajuda, etc. e depois ficamos aliviados por uma boa alma se dispor a isso. É só exemplo, mas tem várias situações que não sabemos como ajudar.

Mas guardemos cuidado disso, ninguém nasce pronto. Se quiser ajudar, coloque-se a trabalhar, sem importar com o que o outro vai pensar ou melhor julgar. Vamos nos dar o direito de sermos úteis em qualquer lugar em que estivermos e se não soubermos fazer contar com irmãos que possam nos ajudar. Lembremos: Jesus não prescindiu dos doze (12) apóstolos para sua missão na Terra.

Assim, estaremos nos preservando de qualquer adoecimento ou enfermidade, pois estaremos a trabalho do Bem Maior. O espaço para queixas e reclamações será menor, dado que estaremos em trabalho nos preservando desses males.

Feitos esses simples procedimentos, passamos a abordar as sugestões de Abigail para corresponder ao que o Cristo espera de cada um de nós na presente reencarnação.

Lembrando que não somos Espíritos superiores ainda, nossa conduta guarda relação com o que pensamos e os Espíritos superiores não esperam de nós grandes feitos, mas sim o combate ferrenho de nossas imperfeições. Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral e pelos esforços que emprega para domar suas inclinações más (Evangelho Segundo Espiritismo, capítulo XVII, Sede Perfeitos, item 4).

Abigail nos recorda: “Ama a DEUS acima de todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo, do jeito que acredita e que pode ser útil onde estiveres.” Não é necessário relembrar ao próximo o que ele é, ele já sabe, ainda que pense que não. “Jogar pedras” – mais fácil que entender a conduta e dar uma palavra de carinho, ainda que firme (Parábola da mulher adúltera, João 8: 1-11). Ninguém nesse mundo está livre de erros. Deus espera que sejamos um reflexo dos seus atos, ou seja, quanto mais benevolentes, generosos e servirmos ao próximo mais estaremos perto Dele. Construindo esse Reino de Deus que se encontra em nós mesmos. Gratidão a Deus por sermos o que somos e confiança irrestrita no seu amor e o quanto isso nos favorece.

Trabalha, “as ocupações materiais são necessárias para a sobrevivência dos homens e para o bem-estar de todos os povos, pois é por elas que se opera o levantamento das casas, o movimento de todas as indústrias, enfim, todas as atividades da sociedade, em todos os países, em troca de experiências. Quanto as ocupações espirituais, Jesus nos esclarece: a seara é grande, mas os trabalhadores são poucos” (Filosofia Espírita, Espírito Miramez, comentários a questão 675 do Livro dos Espíritos). Coloque-se em posição de servir ao bem, começando pela família e estendendo os benefícios aos demais círculos de ação. Toda ocupação útil é trabalho, assim procure boas obras para ler, uma tarefa na casa espírita, quando possível, uma gentileza no trânsito ou na condução, etc e se capacitará para as grandes obras.

Espera, é necessário paciência para atingirmos os objetivos propostos para nossa reencarnação. Em passado não tão remoto, entre as vidas passadas e a atual, agimos em desfavor de nós mesmos, em atitudes equivocadas que expressam a condição que vivemos atualmente. A vida não é tão boa, ninguém nos compreende, muitas dificuldades no ambiente de trabalho, etc. Toda essa situação tem origem nas nossas atitudes eivadas de rebeldia e afastamento da Lei Divina. Mas a rebeldia a lei nos leva à situação atual? Sim, quantos de nós diante de uma situação que nos pede paciência, levamos a cabo a nossa vontade sem importar com as consequências que advirão dos nossos atos? Exemplos temos aos montes, imprudência ao volante, palavras ríspidas, condutas inadequadas, irreflexões diversas, etc.

“Construir pode ser a tarefa lenta e difícil de anos. Destruir pode ser o ato impulsivo de um único dia”, Winston Churchill.

Perdoar, no dicionário, o significado é ato de desculpar alguém, sem receio de relevar tais atos. Pergunta: lembraste da frase que Jesus proferiu no Calvário? “Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem”. Procedimento muito comum é tentarmos nos vingar a qualquer custo. Mas Deus é Pai vigilante e sua justiça alcança a todos os devedores. Não é necessária nossa intervenção na cobrança, pois aquele que comete uma falta já chama para si a devida correção, dentro da lei de justiça e amor.

Assim meus irmãos, lembrando esta grata conversa de Abigail e Paulo, desejamos a todos próspera vida, dentro dos ditames do Evangelho do Nosso Senhor Jesus Cristo.

Avante meus irmãos, para o Alto.

João Jacques Freitas Gonçalves

Fonte:  Fraternidade Espírita Irmão Glacus

Esta entrada foi publicada em Artigos, Família, Sexualidade, Sociedade. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *