VISÃO ESPIRITUALISTA DOS TIQUES NERVOSOS

VISÃO ESPIRITUALISTA DOS TIQUES NERVOSOS

Dr Ricardo Di Bernardi

Pergunta: Dr Ricardo Di Bernardi, gostaria que oportunamente fossem abordados os chamados “tiques nervosos”. Será que a doutrina espírita pode ajudar? Qual a razão da existência desses tiques? São hereditários? São espirituais? Meu avô tinha, meu tio e agora eu. Será que os meus filhos podem vir a ter? – Paulo, Genève, Suíça

Resposta: vejamos o Fator Espiritual Externo:

Qualquer desequilíbrio físico, e os tiques nervosos que estão incluídos, decorre de um desequilíbrio dos campos energéticos do indivíduo. Gestos repetitivos, conscientes ou inconscientes decorrem de uma desarmonia da frequência vibratória de nossas estruturas mais sutis. A doutrina espírita pode ajudar no equilíbrio psíquico de todos nós, portanto, pode auxiliar neste mister. Com isto não estamos afirmando, nem de longe, que o problema é originariamente obsessivo, isto é, decorrente da ação de espíritos desencarnados. Sucede que tudo que pensamos, sentimos e ou agimos gera campos vibratórios com uma determinada frequência, comprimento de onda, coloração, opacidade, som e cor específicos.

Em função de uma determinada postura criamos, secundariamente, elos energéticos com entidades espirituais que estão sintonizadas no mesmo diapasão. Há muitas vezes interferência ou somação de situações com espíritos desencarnados. O tratamento, portanto, visa corrigir as posturas psíquicas do indivíduo.

Fator palingenésico

Palingenesia é o mesmo que reencarnação. Há, em cada um de nós registros de todo nosso passado. Se é verdade que devemos nos preocupar muito mais com o presente que está sendo construído e que determina em grande parte nosso futuro, não há como negar que arquivos do nosso passado podem ser fatores de tendências em nossas atitudes. Vocações profissionais por exemplo são recordações inconscientes de experiências anteriores. Nosso corpo traz inclinações a certas manifestações que decorrem de fortes impressões que o perispírito ainda não se libertou. No entanto não é se conformando com a tendência que resolvemos o problema, mas reencarnando para superar esta tendência. Nosso sistema nervoso deve ser corretamente tratado.

Fator Genético

Geneticamente nossos órgãos são semelhantes aos ancestrais e podem trazer aptidões, ou fragilidades e dificuldades. Não se recebe “tiques” por herança, mas se recebe uma musculatura semelhante e um sistema nervoso semelhante com possibilidades também semelhantes. Há genes que se expressam mais ou menos intensamente conforme as vibrações das matrizes perispirituais estejam ou não estejam comprometidas com algum problema. Quer dizer, se nas vidas anteriores há ligação com esta tendência a carga genética se expressa com mais intensidade. Além disto, reencarnamos no meio que temos afinidade o que significa histórias em comum no passado.

Fator psicológico ou emocional

Se alguém prestar muita atenção no próprio piscar de olhos ou de outrem, irá adquirir o tique do ” pisca-pisca”. Se alguém prestar muita atenção no bocejo de outros terá imensa vontade de bocejar. Sono? claro que não, Falta de controle emocional. Transporte isto para outras esferas e níveis de gravidade e perceberá o que quero dizer.

Orientação:

Ter em mente que é uma situação reversível e sempre curável, em mais ou menos tempo desaparece, nem que seja em próximas existências…

Um abraço fraterno.

Dr. Ricardo Di Bernardi

Fonte: Medicina e Espiritualidade

Esta entrada foi publicada em Artigos, Família, Sociedade. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *